terça-feira, 16 de janeiro de 2018

A internet é um mundo estranho.


Eu tenho um amigo, da minha idade, que tem a vida organizada, vive com a namorada e com a cadela, já partilhou várias vezes que não tem interesse em ter filhos, mas trata a cadela como se fosse uma. Várias vezes chega perto das pessoas a dizer "já viste tão gira a minha cadela?", "comprei-lhe um laço novo!". Nota-se a estima que tem pelo animal. 

Nas férias ele estava a passear com a namorada, parou perto de um parque e saiu do carro. Rapidamente um indivíduo chega perto dele e lhe pergunta "viu o que fez? isso não se faz!". Ele ficou meio confuso, sem perceber aquela conversa. O senhor estava a acusa-lo de ter abandonado um cão, que andava por lá. Após explicar que nunca tinha visto o cão o senhor não se convenceu e resolveu tirar uma fotografia ao carro dele e postar no facebook que "o dono daquele carro tinha abandonado um cão".
A publicação teve 10 mil partilhas, inclusive de associações de proteção dos animais e tudo mais. Ele percebeu quando amigos dele também partilharam a publicação. E estava ali... a acusação, o carro dele, a matrícula, o nome do pai e morada (que através da matrícula conseguiram obter), quinhentas ameaças que "devia morrer" ou "ser abandonado também" ou que "lhe iriam desfazer o carro" quando ele estava inocente e pior... trata os animais como muitas pessoas não tratam outras pessoas. 
Teve que fazer queixa na polícia contra o indivíduo que fez a publicação para sua própria proteção e também do carro, pagar 50€ ao advogado e acatar o receio de alguém poder querer fazer-lhe mal ou à família.

Ás vezes achamos todos que as redes sociais não são bem um coisa "a sério" que podemos falar sem filtro, que ao partilharmos uma publicação estámos a ajudar uma causa, mas imaginem a confusão que ficou a vida dele só por causa de uma publicação. Todas aquelas pessoas que a partilhar acharam que iriam ajudar a condenar um culpado mas estavam, na verdade, a condenar um inocente. 

E como ele diz: "cuidado, pode acontecer a qualquer um de nós."

Antes de destilarmos toda a fúria escondida dentro de nós, antes de insultarmos gratuitamnte  acharmos que somos melhores que os outros ou que temos todo o direito em partilhar a nossa opinião, devemos pensar: mas somos absolutos conhecedores do que aconteceu? Devemos parar e agir nas redes sociais como somos na vida e pensar que qualquer situação mal interpretada podemos ser nós a estarmos a ser julgados por milhares de pessoas, estando inocentes.

quarta-feira, 10 de janeiro de 2018

...


Sou pessimista por natureza, digo sempre "realista" mas é apenas para amenizar o que sou mesmo, que é pessimista. Acredito sempre que se contar com o pior será sempre mais fácil lidar com o melhor, que se fizer a conjuntura a partir do princípio que o pior cenário acontece será mais fácil gerir objetivos, metas e, inclusive, expectativas.
Não sou de criar ilusões, nunca me deram nada de forma fácil, os meus pais não têm uma empresa que eu possa tranquilamente gerir, não sonho com o euromilhões porque sei que se não trabalhar dificilmente conseguirei ter aquilo que pretendo e até que, por muito que trabalhe, talvez nunca o venha a ter. Sou a primeira a ponderar as dificuldades em todas as situações, o que pode correr mal, o que há risco de poder comprometer os planos e o que temos que estar cientes, o que às vezes é entendido como "nunca concordar com nada". Não se prende com concordar ou não, prende-se em levantar os pontos críticos para, caso aconteçam, já nos conseguirmos ajustar melhor, uma vez que já foi um cenário equacionado. Jamais correria um risco que colocasse em causa o que considero melhor para mim.
Tudo isto corre bem quando há um outro lado que nos equilibra. O yin do nosso yang. Aquela metade branca que nos equilibra dentro do nosso cenário escuro, que nos questiona "e se correr bem?".
Contudo, quando há duas pessoas a questionar "e se correr mal?" ai amigos, fica difícil.

Apesar de ser pessimista não sou catastrofista. Sei que tenho que ponderar o bom e o mau, ter em conta como o mau me pode afetar, mas seguir a minha vida e não ficar presa a cenários que ainda nem sequer aconteceram.
O meu namorado fala-me sempre "vês, como não temos estabilidade" só porque 3 pessoas na empresa dele foram retirados daquele projeto, apesar de permanecerem na empresa. Para além de pessimista, também costumo ser coerente. Eu sei que não há empregos para a vida. Nem a geração antes de mim teve, não estou à espera de eu ter. O meu pai trabalhou em várias empresas diferentes e foi despedido aos 60 anos, a faltar 6 para a reforma, e sem ter qualquer hipótese de voltar a trabalhar. Instabilidade vai haver sempre. Talvez aos 66 aí se consiga ter essa estabilidade, aquele cheque no fim do mês garantido, no metter what, isto a termos sorte. Agora não posso é definir ou planear a minha vida só a partir do momento em que tiver estabilidade, porque nunca vai ser o momento ideal. Já passei por 3 empresas diferentes e entendo que o meu futuro também não será nesta atual. A vida é assim, não posso é ficar condicionada e paralisada pelo medo porque se todo o pior acontecer, se perder o emprego, ainda sei servir às mesas, se vou 1 vez jantar fora por mês deixo de ir, se vou viajar 2 vezes por ano deixo de ir. Se não tiver um BMW como os vizinhos do lado também não será isso que me deixará menos feliz. Adapto-me, ajusto-me. 

Darwin diz que o ser vivo que mais tem capacidade de resistir é aquele que melhor tem capacidade de se adaptar. Não é o mais forte que resite, é o que melhor se adapta.
O cenário que aterroriza o meu namorado é não ter estabilidade no trabalho, levante a mão que a tem. "Preciso de ter mais estabilidade, pelo menos um pouco mais" O que é estabilidade nos dias de hoje e o que significa "pelo menos um pouco mais". Nunca estámos estáveis o suficiente, o meu pai foi despedido com 20 anos de empresa, se calhar aos 15 ele achou que tinha "um pouco mais" de estabilidade e não significou que 5 anos depois não fosse despedido. Se os meus pais tivessem à espera das condições ideais provavelmente eu e o meu irmão não teríamos sequer nascido.

As contrariedades fazem parte, olhar o futuro e ser-se cauteloso é natural, mas ficar paralisado e aterrorizado com algo que não conseguimos controlar é frustrante para mim. Apesar de qualquer cenário terei que dar a volta por cima, vou ter que continuar a viver a ter que trabalhar para pagar as contas, fazer o que for preciso. O que ele não entende é que, na minha condição de pessimista, isto apenas me faz ainda mais descrente e muito menos animada com o futuro à minha frente.

terça-feira, 9 de janeiro de 2018

Globos de Ouro 2018

Eis o top dos tops, o crème de lá crème e as categorias sããããão:

Categoria
"Está frio, o que eu queria mesmo era ter ficado em casa, mas fui arrastada para aqui... "


Alicia Vikander não fiques triste filha, pode ser que te consigas escapar cedo...




Categoria
"Levei o conceito de open bar demasiado a sério"


Por favor, deixem de levar Cosmopolitans para aquela mesa sff...  





Categoria
"Podia ter corrido bem se eu tivesse ficado sozinha na fotografia"




Deixem lá para o ano há mais...





Categoria
"Parti o salto à última da hora e tive que me desenrascar"


Tive que calçar os sapatos da Kim, ninguém nota que são 2 tamanhos abaixo do meu, certo?


Ninguém me arranja um par de sapatos iguais? Não? 
Pronto olha, pode ser que ninguém repare, descalça é que não vou...


Ir de sapatos aberto com este frio?  Nem pensar, vou vestir as meias por cima dos sapatos a ver se  fico mais quentinha.





Categoria
" Ainda dizem que o preto emagrece... ahram"


E quem não queria ter as ancas a parecem ter o dobro do tamanho, não é Grace?
Este outfit consegue-o na perfeição. 


Como ter o dobro das ancas em 3...2...1!


O preto emagrece, nem me vou preocupar a experimentar o vestido antes, de certeza que é uma boa aposta... Ups... 






Categoria
"Tenho que mostrar isto enquanto posso que eu já não vou para nova"




Pensei que ia ao evento da Intimissimi, afinal são os Globos, ups..






Categoria
"Pós- Lipo Adelgaçante take #341"


Depois da minha mais recente lipo estou a adoptar um método fantástico para manter o peso perdido, tenho uma faixa mesmo no meu pescoço que assim sempre que coloco alguma coisa na boca aquilo aperta e eu sou obrigada a cuspi-lo. Tem sido super fácil manter o peso assim.







Categoria
"Num vestido preto eu nunca me comprometo"

Excepto se for numa reinterpretação mal sucedida de uma sevilhana viúva...

quinta-feira, 4 de janeiro de 2018

...

Um amigo meu vai ser pai... de gémeos.
Para quem em Agosto me disse que não tinha pressa nenhuma de ser pai... agora tem que planear a vida a 4.

Eu em conversa com ele:
Eu:
Levaste aquela música do verão muito a sério...
Ele: Qual?
Eu: A "felices los 4"
Ele: Não, não foi essa... foi a dos AC/DC
Eu: Qual?
Ele: Highway to Hell...


Ups...

sexta-feira, 22 de dezembro de 2017

Ah, o Natal


Ontem endrominei um plano para embrulhar a prenda do namorado sem que ele estivesse em casa.
Tive todos os cuidados, retirei o papelinho do preço, selei a caixa do presente, fiz um embrulho reforçado à prova de espreitadelas ocasionais,  coloquei o presente na árvore, escrevi o nome dele com um coração e depois tive que me despachar porque estava na minha hora de almoço.

Horas mais tarde vem-me à ideia, sabem aqueles insights, aquelas espécies de epifánias e veio-me à ideia que não havia registo cerebral de eu ter deitado o preço fora... e que havia alguma (muita) probabilidade de eu o ter deixado num sítio super discreto... tipo em cima do sófa...
Respirei fundo e pensei: "Calma, se o namorado tivesse visto alguma coisa já me tinha dito".
Mal eu abro a boca a dizer: "Acho que me esqueci de alguma coisa" e pergunta-me se estou a falar do papel do preço. Pois...

No outro dia estive com uma pessoa que me estava a dizer que ia voltar para uma consulta comigo no dia a seguir. No final desejei à pessoa "então feliz natal"... perante o ar confuso do senhor tentei compor com um "se não nos virmos"... Tipo... não Eva Luna, não... o senhor tinha marcado... enfim... não vale a pena.

Eu ofereço-me para estudos, a sério.

terça-feira, 5 de dezembro de 2017

Eu digo sinceramente...

Estou na minha luta de sempre... a tentar perder peso.
Tenho tido uma força estóica mesmo quando o namorado só sabe levar para casa bolas de berlim, pastéis de chaves, pão de deus, batatas fritas... Tenho resistido sempre de forma tranquila.
Andei uma semana a comer pescada, sopa, tirei o pão, tem sido uma alegria.
Ontem ao pequeno-almoço comi um iogurte, ao almoço comi uma sopa + prato, à tarde comi uma maça e 4 bolachas treinei (gastei 500kcal) e depois comi uma sopa...

Hoje tenho mais meio quilo que ontem!!!!! True Story!

Aquele abutre que eu tenho em casa enfarda pastéis de chaves como se fossem M&Ms e se for a isso no dia a seguir tem menos 200gramas.

Eu digo sinceramente...

sábado, 18 de novembro de 2017

Taquicardias de domingo

Estes últimos fins de semana acumulamos uma ida ao Ikea, Matrizauto e OKsofas.
Mas com alguma finalidade perguntam vocês?
Não, nenhuma, nós é que somos masoquistas e gostamos de ir apreciar coisas que não vamos comprar.
Depois dessas voltas todas não há como não ficar semidepressiva.
Começo a pensar que se comprássemos aquilo que um início de vida precisa (casa, carro, móveis) que ficávamos endividados até aos 60 anos, que é coisa para me dar falta de ar.
Pudera que haja tantos divórcios, já viram o peso que isso soma a uma relação?
Enfim, custa a dar esse passo mas também custa viver numa casa arrendada e dar dinheiro por algo que sabemos que nunca vai ser nosso, que é dinheiro que nunca vamos recuperar. Sabemos que quanto mais tarde isso acontecer até mais tarde temos um empréstimo para pagar. Depois vem a questão do carro... Não temos um carro que nos permita fazer viagens como ir a casa dos pais. Na sexta vim a casa dos meus pais. Tive que sair às 16h para apanhar um comboio que atrasou 30 minutos, que me fez perder 2 ligações e esperar uma hora pela próxima viagem. Ao apanhar a segunda ligação o comboio atrasou mais 20 minutos.
Em Campanhã comprei um boletim do Euromilhões... afinal ia dar uma história engraçada: o comboio atrasou, tive que esperar em Campanhã e vai na volta comprei um boletim do Euromilhões e puff fiquei milionária - não aconteceu e assim foi só chato e muito desagradável. Começamos a já não ter muita paciência para este tipo de coisas, mas pronto.
Somando que ainda nem sequer casamos e essa conta é outra conta que sabemos que não fica nada barato.
Estamos a adiar vários tipos de decisões mas Cristo, se já passaram por isto, como é que vocês conseguem lidar com isso sem ter uma sincope? É que cada vez que penso nisso dá-me uma taquicardia...

sábado, 4 de novembro de 2017

Este foi o meu espanto...

scared jim carrey GIF

Ao ir ao Continente e ver uma fila interminável de pessoas à espera para embrulhar presentes.
Ainda só estamos em Novembro, certo?
Eu atrasei uma hora no relógio mas estas pessoas parecem que adiantaram 1 mês.

#Assustada

segunda-feira, 16 de outubro de 2017

Sem palavras


Ontem tivemos que percorrer 1 terço do país porque fomos de fim-de-semana a casa dos pais do namorado. Percorremos cerca de 250kms e ardia a cada concelho e distrito que íamos passando. Coincidência, não? Quase que parece que existe uma rede organizada que decidiu espalhar a devastação.
Um cenário dantesco. Um horror, que eu nunca vi igual. 

Andámos quase sempre em auto-estrada e vimos arder mesmo ao lado.
Percebemos que se ardessem dos dois lados qualquer pessoa que fique encurralada pelas chamas não tem grande opção. O que fazer? Parar no meio da auto-estrada e levar com um carro em cima? Avançar é um risco enorme que muitos filmaram. Uma sorte os pneus não rebentarem com o calor e as pessoas ficarem no meio daquele inferno. Voltar para trás? Numa auto-estrada é impossível, mesmo em necessidade de salvar vidas seria suicídio.

Nós, que seguíamos na A1, passamos por meia hora de para-arranca para sair, uma vez que fecharam a estrada mas felizmente fizeram-no a tempo. Não quero imaginar o que sentiram aqueles podiam ter morrido nesta estrada, por falta de a terem cortado. O local onde isto aconteceu foi logo depois do sítio onde saímos e já de noite, como nós.

Temos que estar gratos, por não nos ter acontecido nada, mas revoltados porque aqueles podíamos ser nós e porque NINGUÉM devia passar por aquilo. Para receberem o dinheiro das portagens estão todos disponíveis, mas para evitar estas coisas já não está lá ninguém. É uma vergonha! Passar e pagar numa estrada para morrer, sem que tenham o mínimo de cuidado para com a nossa vida! Estes condutores deviam ser pagos e bem pagos pelo risco que corram, não que isso diminua o que passaram mas para que estas entidades assumam responsabilidades! 

sábado, 7 de outubro de 2017

Respondeu a todas que sim...


#trastesimmmentirosonunca

sexta-feira, 6 de outubro de 2017

Ahh, a máquina da verdade da TVI


Hoje não fui trabalhar e fiquei por casa, a fazer tipo... nenhum.
Neste momento estou a ver em directo um momento ímpar na televisão portuguesa, no programa da Fátima.

Hoje um senhor veio provar que traiu a mulher, com a irmã dela.
A irmã dela diz que é mentira e que nunca tiveram um caso.
Hoje veio provar que traiu a mulher e que não é mentiroso.


A melhor (ou pior) parte é a mulher dele, que o perdoou, que também veio ao programa. A senhora foi a primeira a querer que ele vá à maquina da verdade provar a toda a gente que a traiu e que é verdade o que ele está a dizer.

Infiel sim, mentiroso nunca.

terça-feira, 3 de outubro de 2017

Biggest Deal, da TVI

A Isabel Figueira sobre o novo reality show da TVI:

"Vejam o programa, vamos ajudar os mais necessitados"

Ora... eu acho que, de facto, vão mesmo ajudar os mais necessitados, no caso (eles) os vips que estão na rua da amargura e sem trabalho que assim conseguem ganhar ate três mil euros por semana.

Mas não, é só mesmo para ajudar os pobrezinhos que entramos nisto.... Que altruístas. 
É só meeeesmo por causa disso. Nada mais.

domingo, 1 de outubro de 2017

Sensibilidade de um penedo

Namorado a falar ao telefone com o tio, que é invisual à 30 anos, sobre as autárquicas.

Namorado: O candidato do PSD não era esse tio, ela sabe lá o que diz... Se quiseres até te mando a foto do cartaz do PSD....





Som... Um, dois. Som.


O namorado a ver a bola, no computador, de auscultadores nos ouvidos e eu a passar a roupa a ferro mesmo ao lado:

Eu: Tenho que ligar à minha mãe...
Namorado: ...........
Nem uma nem duas

Eu: Sabias que o PSD ganhou na tua terra?
Namorado:.............
Nem uma nem duas

Eu: Chegas-me, por favor, o comando?
Namorado:.............. 
Nem uma nem duas

Eu: Traí-te com o Fernando
Namorado: O quêêêê?????

Bem me parecia.



quarta-feira, 20 de setembro de 2017

Ryanair

Já viajei algumas vezes na Ryanair e quase sempre em Low Cost.
É uma chatice desgraçada termos uma viagem desmarcada à última da hora. Há histórias de pessoas que se  vão casar, outras que reservaram tudo e mais alguma coisa e que agora não conseguem cancelar os hotéis ou os pacotes que compraram, tudo muito chato (de verdade) mas também tenho que reconhecer que as low costs são uma bênção.
Sem elas não conseguiria ter viajado 1/3 do que já viajei. Sei que todos reclamam e se eu tivesse nessa posição provavelmente também concordaria, mas bem vistas as coisas é preciso dar descanso aos pilotos, às equipas, (falha da Ryanair, certo, mas se não acautelaram isso antes agora há que fazer alguma coisa) não estamos a falar das senhoras sentadas nas finanças que se adormecerem com o cansaço apenas batem com a testa na pilha de documentos que têm à frente, estamos a falar em descanso de equipas em que não é permitido falhar e que é preferível dar esse descanso do que alguma coisa acontecer por falta dele.
Nestas coisas é como reclamar de se cancelarem voos por causa do vento na Madeira ou de intempéries. Todos reclamam, todos temos vidas preenchidas e afazeres, certo, mas é preferível alguém adiar a data do casamento porque a Ryanair cancelou o voo do que não casar porque se ficou sem noivo num desastre de avião.


#justsaying

terça-feira, 19 de setembro de 2017

Um divórcio, um casamento e espero que nenhum funeral

Tenho uma colega que traiu o marido.

Contou a toda a gente, mas por algum motivo achou que ele nunca ia saber.
Pois que ele descobriu. Pois que se vão divorciar. 
E traiu com quem? Com um jovem (de 30 e muitos anos) que vai casar este mês. O jovem diz que casar não vai mudar nada na vida dele, que é só um papel, que é como quem diz que pode andar no rebolanço na mesma com a minha colega, para ela não se preocupar, que é como se nada fosse. Se andava antes de casar qual é o problema de andar depois? Segundo ele, problema nenhum.


Muita informação ao mesmo tempo, certo? Eu sei...

Incomoda-me levemente que alguém case com um traste destes.
Deus me livre, que não me meto na vida de ninguém, mas que a noiva dele devia descobrir ai isso devia... 



segunda-feira, 18 de setembro de 2017

Tão apaixonados como no primeiro dia #Sóquenão

Namorados há 2 anos:

Ela chega a casa tarde: "Só agora mor? Morri de saudades tuas...Ainda bem que chegaste." - Diz ele.


Namorados há 7 anos (no caso eu e o meu pequeno panda):

Eu chego a casa às 20h: "Jáá?????? Não estava a contar que chegasses tão cedo..." - Diz o meu namorado com um ar de "ainda não devias cá estar". Um doce. Nota-se que não aguenta de saudades.


Acho piada ao "Já!!??"
Tipo são 20h da noite jovem...

O amor 7 anos depois é uma coisa louca. É por estas e por outras que assim nem vale a pena casar, certo? :)
É por isso que eu acho que casar tem prazo de validade tipo 3 ou 4 anos é o ideal, isto claro que se as pessoas já tiverem maturidade suficiente e não sejam dois chavalos acabados de sair da queima das fitas. A sério que me parece ser a idade da relação ideal. (Se bem que tudo tem prós e contras.) As pessoas já se conhecem bem mas ainda não tãaaao bem que a coisa azede. Ainda há aquela expectativa de que é tudo fantástico ou se não é que vai melhorar bué. Enfim, ainda se está meio "embriagado" pelo "ai gosto tanto de ti piu piu piu", "ele é tão giro" (dito com corações nos olhos) que relevamos uma data de coisas. Ainda se está na igreja com expectativa de que vai ser tudo um máximo. Agora como para nós era um tiro no pé casar com 4 anos de namoro porque eramos muito jovens, nada a fazer, por outro lado já 7 ecck... também já passaram esses anos dourados e o futuro parece ser uma emoção enorme.... do género "então já chegaste?".  Mas pronto, não há-de ser nada.

E a vossa experiência? Alguém daí a chegar aos 7 ou 10 anos como se fossem os primeiros 2? 

sábado, 9 de setembro de 2017

Eva Luna no passeio: Luso













Dá ideia que estas férias toda a gente foi para sítios espectaculares menos nós. Damn!
Pois que como tínhamos uns dias em Setembro fiquei com uma missão: Marcar um sítio giro por pouco dinheiro para finalmente termos a sensação de férias.

Olhei para o mapa e descobri o Luso e a Mata Nacional do Buçaco. A entrada para a mata do Buçaco e para o Palace Hotel é gratuita e tem mesmo muito que visitar. É muito bonito e os jardins são fantásticos. O centro da vila é super calmo e dá mesmo para descansar e visitar as fontes da mais pura e verdadeira água de Luso.
Marquei no Booking uma residencial renovada, com pequeno-almoço, mesmo no centro do Luso e melhor ainda consegui um desconto de 15€ na estadia, creditada no cartão onde fiz a reserva. Ou seja consegui um ótimo preço e ainda me devolveram dinheiro. Score!


Eu e o namorado gostamos bastante e ficamos com a ideia de voltar desta vez com a família, de tal que este local é especial. Espero que gostem das fotos!

quinta-feira, 31 de agosto de 2017

Um dia atiro o namorado da varanda

No outro dia fui ao necessaire do namorado buscar uma tesourinha das unhas (que é dele e que ele muito estima) para a minha manicure.
Pois que um dia depois vem ele perguntar-me impaciente pela tesoura, onde é que eu tinha posto a tesoura, que precisava da tesoura.

- Oh caramba, eu sou meia distraída, onde será que eu pus a tesoura, se não está no sítio dela onde será que eu a pus? Pensei eu.

Tentei ganhar tempo, revirei as minhas coisas todas e vi os sítios mais prováveis e nada.
Depois de revistar as minhas coisas feito uma tola e já frustrada fui ao necessaire dele e... lá estava a tesoura. Sempre esteve. Eu tinha-a arrumado lá logo depois de usar e o namorado como soube que eu a tinha usado nem se preocupou de ver se eu a tinha voltado a colocar no sítio. 

Este homem até me faz duvidar de mim própria e ainda o ouvi todo chateado a dar sermão por não saber da tesoura quando ele nem pensou que pudesse estar...no sítio dela. Ouvi sermão e andei uma data de tempo atrás de algo... que sempre esteve onde devia estar. 


Eu mereço.

terça-feira, 22 de agosto de 2017

O batizado do piqueno


Ora ora.. sou tia e madrinha de um pequenino rapaz cujo nome é o masculino do meu (terá sido homenagem à minha digníssima pessoa? claro, parece-me evidente... cof! cof!).
Pelo menos já posso ficar para tia, yeiiii! Apoquentava-me não poder exercer esse direito de escolha que é - querer ou não ficar para tia. Hoje já posso e o mundo faz muito mais sentido assim. 
O namorado não tem irmãos logo é o nosso único sobrinho, o nosso puto pequenino.
Pois que batizamos o jovem de 6 meses, pois que correu tudo pelo melhor, pois que levei o meu vestido de 3,99€ apertado por 3€ na costureira. Score!
O pequeno é meio safadeco, chora de lágrima quando só está levemente aborrecido e passa-lhe logo mal alguém surge com um brinquedo novo ou uma simples caixa de papel ou garrafa de água.
A capacidade de ele ficar sugadito sem chorar é de 1 minuto depois disso passa o efeito novidade e chora de nuevo que se desunha e lá têm que vir os pais em auxílio de calar a criança. Dormir de dia é tipo 15 minutos e de noite acorda de 2 em 2 horas.

É por isso que bom bom é ser tia... :p 

domingo, 6 de agosto de 2017

Festival Sudoeste


Ontem terminou mais um Sudoeste.

Eu também já fui ao Sudoeste quando não tinha que fazer ao dinheiro era mais nova.
Ahhh, parece que ainda me lembro do cheiro a erva entusiasmo no meio da multidão. 
Parece que foi ontem que lá estava, lembro-me de olhar para o lado e só ver putos de 14 anos festivaleiros a beber e a fumar ganza em grandes patuscadas. 
O que eu gostei de lá acampar.. o mais giro era quando íamos tomar banho e chovia antes... Epá, que sensação espectacular a de chegar a tenda enlameados e sujos frescos e revigorados.
Ahh, o turismo de natureza... as saudades de abrir latas de atum preparar refeições com os amigos.
Nunca mais me esqueço do fantástico Intermarché de campanha, que lá estava montado, onde éramos assaltados íamos às compras. Saudades da água mineral benzida que lá comprei e bebi.
A 5€ por um garrafão de água estou certa que se tratou de água mineral benzida pelo Papa João Paulo II, na sua visita a Portugal, no ano 2000.
Enfim, saudades das pequenas coisas, como acordar às 6 da manhã ao som dos filhos da p#6y a gritar "alvorada"  passarinhos.
Saudades de entrar à pinha ansiosa nos autocarros para ir até à praia.

Enfim, bons tempos.

sábado, 29 de julho de 2017

Pechinchas é comigo...

Eu posso auto-intitular-me rainha das pechinchas.


Desta vez, numa visita à H&M trouxe este pequeno pela modica quantia de 3,99€, sendo que há uma versão rosa claro que estava a 2,99€. 
Se podia passar por ele, se estivesse sem desconto, sem lhe ligar nenhuma? Sim, era provável. 
Se eu podia deixar de o comprar sabendo que ia ter um vestido para o batizado do meu sobrinho por 3,99€ que vai ser já no próximo mês? Não, evidente que não.
Nossa, tenho horror a pobre. 
São tudo boas notícias? Não, não são... Só havia o XL daí o preço do vestido, mas vou mandá-lo apertar e penso que é algo simples porque o vestido tem um corte direito e a coisa dá-se. Só espero que o arranjo não me saia mais caro do que o próprio vestido. 

A ver. A ver. 

quarta-feira, 19 de julho de 2017

Do casamento

A pedido de várias famílias eis o modelito by H&M, o penteado by cabeleireira da sogra e a clutch by OLX).


terça-feira, 11 de julho de 2017

Atualizações

Ora... ora... ora...


O tal casamento que eu tinha já aconteceu. Levei um vestido H&M cor salmão clarinho, comprido, que sujei com batom vermelho assim que pude. Uma classe.

O alisamento que fiz já perdeu o efeito ready-to-go ou seja o "efeito não precisas de fazer nada que ele fica incrível e magnífico na mesma". Voltei à prancha de alisar, mas é facto que está muuuuito mais disciplinado, mais fácil de alisar e tem menos volume que antes que também era o objetivo. Não fica fora de hipótese repetir no futuro a ver que consigo dominar esta juba magistral.


Comecei a dieta e o treino com 61,7Kgs e estou com 60,1Kgs. Não tem sido um processo fácil e muito menos rápido, mas hei-de lá chegar. 

Voltei ao ginásio e tenho um andar engraçado do treino de ontem. Vamos ver quanto dura. A alimentação anda irrepreensível tirando o casamento que comi normalmente (ou seja sem cuidados... quem manda o almoço ser às 17h da tarde? Não há heróis que aguentem).

A minha epifania de manter uma alimentação (ainda mais) cuidada e treinar veio mais do "positivo" do meu teste genético para a tal doença que vos falei mais do que qualquer necessidade extrema de perder peso. Acho que o meu namorado ainda não captou isso, mas tudo bem. Ele está focado no quão mais peso eu posso perder. Um fofo.

Ainda não fui de férias, como pode comprovar o meu semi-bronze de apenas 2 ou 3 dias de praia até ao momento e o meu estado anímico que quem dormia aqui um sono encostada ao móvel dos consumíveis num piscar de olhos. O que vale é que nas férias vou para um resort incrível com "vista para o mar" nas baleares. Puufff é mentira, vou ficar por casa, mas também ninguém precisa de saber.


São estas as novidades.

quarta-feira, 5 de julho de 2017

Esta vida tem assim umas coisas estranhas...

Um dos meus pacientes(?) clientes (?), ou seja lá o que quiserem chamar, faleceu.
Tinha quase 40 anos mas uma energia de 20 e um aspecto de 30 em plena forma. Simpático, alegre, bem-disposto e volta e meia saia das consultas tão contente que irradiava luz, sempre com um sorriso largo.

Numa sexta-feira vi-o fora do contexto das consultas e como sou meia envergonhada nem lhe disse nada. Acabei por fintá-lo sem lhe falar. No sábado ele faleceu num acidente de automóvel.

Ficou o choque, era tão cheio de vida, tão alegre, que é um contra-senso. Pelo que percebi tencionava ser pai, foi reconhecido no seu trabalho pelo seu mérito, recebeu uma medalha e assim de repente, faleceu.

Eu nem lhe disse nada. Ficou a certeza que devemos deixar de viver só para nós próprios, do alto da nossa vergonha ou arrogância e que faz sentido olharmos para quem nos rodeia e agirmos sem complexos, para que nada fique por dizer.


Não vá de, por um infortúnio do destino, ser a última oportunidade.

Flickr Images